Ir embora enquanto ainda se ama …

Ir embora enquanto ainda se ama …

Quando comecei a trabalhar, o meu pai, desafiador como sempre, disse-me várias vezes:
“Joana, quando estiveres numa empresa a trabalhar e começares a sentir que estás mesmo bem nessa empresa e que estás mesmo no sítio certo, essa é a altura ideal para mudares”.

Confesso que nunca consegui fazer isso Nem nas empresas onde trabalhei, nem nas relações que tive, em nenhuma área de vida na verdade. Normalmente quando decido mudar é porque já estou pelos cabelos e já esgotei qualquer possibilidade de voltar a gostar de estar naquele lugar na minha vida. Levo tudo ao limite, esgoto-me onde estou e chego ao ponto de sentir repulsa por esse lugar. Só quando já deito daquilo pelos olhos é que decido mudar.

Daqui a 10 dias vou iniciar uma nova fase de vida. Vou colocar tudo o que tenho numa garagem, pôr uma mochila às costas e fazer uma viagem volta ao mundo sem data de regresso. Confesso que estou num misto de entusiasmo e pânico mas o melhor de tudo é que não vou a fugir de nada. Parece que vou finalmente colocar o conselho do meu pai em prática. Tenho uma vida de sonho, num país de sonho onde estou mesmo bem e, mesmo assim, achei que era a altura certa para mudar e experimentar algo novo. É bom tomar uma decisão de mudar sem ter a necessidade de o fazer, apenas porque sim, ou melhor, apenas porque não? E o sinal de que tudo isto que aqui escrevo é verdade é esta nostalgiazinha que ando a sentir há uns dias …

Vou viajar o mundo, conhecer lugares maravilhosos, mas o melhor de tudo é saber que quando esta viagem terminar, se terminar, é para aqui que volto. Para tudo isto. Para este paraíso. Para casa.

 

Let the countdown begin ………..