Essas não são as tuas pessoas …

Essas não são as tuas pessoas …

Estive todo o fim de semana num evento de Marketing multinível ou Marketing de rede em Milão para 7000/8000 pessoas. Foi fascinante. Já não é a primeira vez que frequento um evento deste género apesar de não estar ainda inscrita em nenhuma rede.

Digo que foi fascinante porque é com certo alívio que estou presente num evento que vive com base nos conceitos de marketing e vendas de forma completamente clara, permitindo-me estar um pouco afastada dos julgamentos e preconceitos da minha indústria acerca destes temas.
Na minha indústria utilizar Marketing e vendas é visto como banha da cobra ou falta de integridade. Mas a minha opinião é que as estratégias de Marketing e vendas que utilizas só são banha da cobra se depois a qualidade do teu trabalho não estiver ao nível daquilo que divulgas. Mas mesmo assim, preocupa-me zero as estratégias de marketing que os meus colegas usam. Isto porque uma das coisas em que acredito é que a médio prazo (e até a curto prazo) o sucesso de uma pessoa depende da sua competência independentemente das estratégias de marketing que utiliza. Quero dizer que considero que não há nenhuma estratégia de marketing que te ajude se não tiveres qualidade no teu trabalho. Ponto. Mais cedo ou mais tarde a qualidade do teu trabalho técnico vai prevalecer em relação à qualidade do teu Marketing.

A fundadora da empresa que organizou este evento falou de como atualmente existem mais pessoas ricas como consequência do seu trabalho como empreendedores do que pessoas ricas como consequência de serem originários de famílias endinheiradas e terem o trabalho duro de construção de uma estrutura sustentável feito por outros. Infelizmente a maioria dos empreendedores da minha área, e de outras áreas, não tem “pais ricos” e por isso, têm de se fazer à vida e aprender a divulgar o seu trabalho, principalmente numa fase inicial em que ainda são desconhecidos e, sim, eventualmente ainda inexperientes. Desde cedo percebi que como empreendedora na área do coaching ia ter dois trabalhos: 1º dar sessões de coaching com muita qualidade e 2º angariar clientes para dar essas sessões. E isso também é um trabalho difícil, desafiante e que exige muito dos profissionais e não deve ser desvalorizado. Na minha opinião deve ser aplaudido. Mas implica muita coragem e por isso é que só alguns o conseguem fazer. Enfim, é como tudo na vida.

Como mentora não gosto de julgar estas opções de divulgação mas sim ajudar os profissionais que me procuram a integrar o paradoxo: em vez de lhes dizer que, ou fazem marketing ou têm qualidade, prefiro dizer-lhes que podem ter ambos e ajudá-los nesse processo. Gosto de ensinar as pessoas a vender bem e a prestar bem os seus serviços. Ambos. Acho que esse é o trabalho de quem forma outras pessoas e isso é prestar-lhes um bom serviço em vez de simplesmente ajudá-los a manter-se em visões tacanhas daquilo que é possível para si.

Numa das apresentações do evento falou também o diretor de Marketing da empresa e mais para o fim da sua apresentação ele projectou uma imagem que dizia: “You will be too much for some people. Those are not your people.”
Acho que esta frase resume tudo. Muitos de nós temos receio da nossa grandeza. De visualizá-la, mostrá-la e até menciona-la. Fomos ensinados que isso é sinal de arrogância e falta de humildade. Pois, a isso, o que eu cito é que “Por vezes, vais ser demais para algumas pessoas. Essas não são as tuas pessoas.” Por isso, utilizando a metáfora que o Daniel usou enquanto rebentava com o palco em Milão, acredita no super-herói que há em ti e grita isso aos 7 ventos, ao mesmo tempo que te tornas cada vez melhor tecnicamente. Porque não há mérito nenhum em te fazeres mais pequeno do que realmente és. E se alguém te disser que esse é o caminho certo, olha bem para a vida dessa pessoa, olha com atenção, vê bem todos os pormenores e contornos e tenho a certeza que vais perceber que essa pessoa não é um exemplo para ti.

Tem uma linda noite
Jo ♥

 

Photo tirada em Milão, Itália