O que é suposto, Felicidade ou Condicionamento?

O que é suposto, Felicidade ou Condicionamento?

Quando olho para alguém, olho para um enorme aglomerado de infinitas possibilidades. O universo criou-nos como seres fabulosos e cheios de potencial. Cada um de nós representa um sem número de oportunidades e potencialidades que quando utilizadas e aproveitadas no momento certo podem revelar-se de formas magníficas, inimagináveis e às vezes um pouco loucas.

 

A coisa mais triste que existe é olhar para alguém com essa mesma sensação de infinititude e perceber que, por algum motivo, essa pessoa se condiciona a viver todo esse potencial maravilhoso. Nada me entristece mais do que me deparar com alguém que poderia viver tudo o que quisesse, ser o que quisesse, mas se limita pelos mais variados motivos.

 

Não há maior tristeza do que viver uma vida aquém…

 

Aquém de quem somos, aquém de tudo o que podemos viver, aquém de todas as experiências maravilhosas que poderíamos ter, aquém do amor, aquém da felicidade, aquém da plenitude, aquém da paixão, aquém de si. Na maioria das vezes nem nos apercebemos de que estamos a viver assim, simplesmente achamos que é dessa forma que devemos viver. É dessa forma que é “suposto”. O que é Suposto? O que é que isso significa afinal? No dicionário são considerados sinónimos de “Suposto” palavras como “fictício, figurado, hipotético e imaginário”. A minha questão é porque é que insistimos em viver num carreirinho de decisões que foram tomadas por outras pessoas e ainda por cima de forma fictícia, figurada, imaginária e portanto vazias de significado individual.

 

Imagino só como será chegar ao final da nossa vida e pensar “Foi só isto?”. Chegar a esse momento em que percebemos que estamos no fim da linha e pensarmos em tudo o que poderíamos ter sido, em tudo o que poderíamos ter vivido. Calculo que nesse momento tudo ficará mais simples. As dúvidas e questões que noutros tempos nos atormentaram, simplesmente desvanecem e tornam claras as razões porque estivemos neste mundo. Penso que nesse momento o verdadeiramente importante será quão felizes fomos e quão felizes fizemos as pessoas à nossa volta. Por isso a questão que se coloca é: Quão feliz tens sido nos últimos dias? Nas ultimas semanas? Nos últimos meses?

 

Por isso, sai de casa, dança à chuva, experimenta um novo prato, come com as mãos e lambe o dedos, ri até te doer a barriga, faz amor ao luar, bate palmas por cima da cabeça, conta novidades aos teus amigos, dá abraços de pelo menos 30 segundos às pessoas especiais e mergulha no mar numa noite de verão. Faz o que tiveres de fazer, mas vive a Tua vida, a vida que queres para ti 🙂
Até breve,
A sua Coach
Joana Areias